Textos


Pão Nosso

Vento que venta inverno
bate janela,
destrava tramela,
escorrega  pelo corrimão
da ansiedade.
Assustados,
os degraus gemem de frio;
a cama em arrepios
recobre-se  edredom.
O sono,
sem pestanejar,
rodeia  a luminária
num voo cego de cansaço.
Alguns versos carentes de sentido
aconchegam-se na mente do poeta.
Recolhidos com avidez
formata-se  em poema.
 
Seu pão de cada dia
adormece saciado sobre o balcão da escrivaninha.

Rogoldoni
03 06 2016



Mensão Honrosa no Concurso Poemas à Flor da Pele 2017 em homenagem a Ferreira Gullar
Pulicado em livreto com todos os participantes, Editora Somar

 

 
rosangelaSgoldoni
Enviado por rosangelaSgoldoni em 06/12/2017
Alterado em 06/12/2017
Copyright © 2017. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários


Imagem de cabeçalho: raneko/flickr