Textos


O Amor numa Eterna Viagem

Este poema será publicado na Antologia Sem Fronteiras volume 3, 2018,
contemplada com menção honrosa.

Acordos,
compromissos à revelia, enlaces de vidas: alianças agendadas traçavam destinos
de príncipes e princesas, reis e rainhas.
O amor confinado às alcovas sombrias!
Traições em família, desafetos reais ou conjugais sem culpas residuais.
Sensível fatalidade no correr dos trezentos, um amor imprevisto.
Pedro príncipe,
Inês e Constança, princesa e aia em comitiva.
Famílias.
Na boca do povo, filhos de lá, filhos de cá,
Inês no convento.
Alimentava-se das cartas de Pedro transportadas em barquinhos de lágrimas.
Santa Clara testemunhava este amor.
Morre Constança, desgosto, diziam.
Pedro viúvo, amor consentido.
Sorriam.
Ah, o tempo!
Encarregou-se do crescimento dos filhos.
Os de lá e de cá (estes, bastardos). Sucessão em causa, faca,
Inês é morta!
Morte em vida que vivia em Pedro.
Exagero? Cadáver rainha aos súditos proclamada.
Túmulos que se atraem em transes de eternidade.
Alcobaça por testemunha.
Pedro e Inês, amor que ultrapassou as desilusões!

Rogoldoni
15 04 2017

 
rosangelaSgoldoni
Enviado por rosangelaSgoldoni em 24/01/2018
Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários


Imagem de cabeçalho: raneko/flickr