Textos


Louco por Samba

Domingo. Quarenta graus. Janeiro.
Camiseta no corpo, partiu para a feijoada do Salgueiro ao encontro de amigos.
Uma dose extra de samba na sua alegria, sabendo que o ar refrigerado da quadra funcionaria em evasivas.
Enquanto aguardava o ônibus, um dos loucos da sua rua parou, olhou para a camiseta, acenou com o polegar e perguntou:
- Você conhece o samba do Cubango? * (E. S. Acadêmicos do Cubango, Niterói)
Claro, respondeu de pronto, pensando livrar-me do incômodo.
Sem cerimônia cantou o samba até o final.
Ela acenou com o polegar e disse: - Valeu!
O ônibus apontou na esquina. Aliviada embarcou.
Ansiosa e faminta, mergulhou na multidão que se requebrava ao som do pagode do momento: impossível encontrar os amigos, pensou.
À feijoada!
Na fila, pode visualizá-los. Serviu-se com parcimônia. Afinal, a refrigeração não dava conta do calor humano em tamanha concentração.
A temperatura aumentou quando a Banda do Cordão do Bola Preta e, em seguida, a Marrom, foram chamados.
Depois do show, voltou para casa, sã e salva. Tinha atravessado a baía de Guanabara.
Dias depois, reencontraram-se.
 - Bom dia, “Madame”!
Estranhou. Ele a reconheceu.
- Bom dia!
Andou sumido por alguns meses (soubera que estaria internado para tratamento psiquiátrico).

Rogoldoni
11 01 2015
Publicado na Antologia em Verso e Prosa - 2018 Autores do Centro de Literatura do Museu Histórico do Exército e Forte de Copacabana.
 
rosangelaSgoldoni
Enviado por rosangelaSgoldoni em 29/03/2018
Alterado em 29/03/2018
Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários


Imagem de cabeçalho: raneko/flickr