Textos


Primos à Flor da Emoção

Fora criada sem a presença dos primos, parentesco que lhe soava comum aos olhos das suas amizades.
A vida traçou caminhos à revelia dos fatos e dos parentescos.
Afastados, eram dois desconhecidos na fila de autoatendimento de um banco.
Ele, do alto dos seus quase setenta anos e um belo par de olhos azuis; ela beirando sessenta, baixinha, e olhos também azuis acompanhada do seu filho mais velho.
Algo soou familiar quando os olhares se entrecruzaram ao acaso.
Resolvidos, ela sobe a escada em direção ao andar superior.
O filho, ainda no térreo, ouve seu nome solicitado num microfone: “Fulano, sua mãe o aguarda no andar superior”.
Ao soar do sobrenome o primo dirigiu-se ao rapaz.
“Olá, tudo bem? Temos o mesmo sobrenome. Você é filho de quem?
Subiram ao encontro da mãe do rapaz.
Entre apresentações e lembrança, redescobriram-se, entre lágrimas, primos-irmãos.
Cinquenta e cinco anos resumidos a 5 minutos numa sobreloja dum banco qualquer.
- Tão perto, tão longe ... ela disse
 -  Coisas da vida, ele retrucou ...
Sem lembranças a compartilhar, apenas algumas informações a trocar, despediram-se.
O tempo retomou suas vidas.
Apenas primos à flor da emoção!
 
14 05 2018
Rogoldoni
Classificado em terceiro lugar e publicada Na Antologia Contos, Crônicas e Historietas, Editora Somar, 2018.


 
rosangelaSgoldoni
Enviado por rosangelaSgoldoni em 01/07/2018
Alterado em 07/11/2018
Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários


Imagem de cabeçalho: raneko/flickr