Textos


Infância Revista: Transformação


Alguns vasos de antúrio davam o toque floral.
No quintal, horta e parreiras de uvas.
Ao fundo, um galinheiro onde colhíamos ovos e, vez por outra, um abate na cozinha (pobrezinha).
Afinal, abundância não era a regra dominante.
Couves, jilós, alfaces, tomates eram plantados por sobrevivência, e, pareciam mágicos quando nos pratos surgiam.
Minha mãe, incansável: afinal, três filhos e não existiam máquinas de lavar, ferro a vapor... Não tínhamos sequer televisão ou refrigerador.
Tempos difíceis, trabalho pesado, raros gestos de carinho.
Talvez não gostasse de bonecas porque nunca chegavam no aniversário ou Natal.
Claro, houve a época do pique-esconde, cirandas e bambolês.
Meu tempo, basicamente, era ocupado pela música, leitura e estudo.
Rádio Nacional era o nosso passatempo: Cesar de Alencar, Paulo Gracindo, Manoel Barcelos e tantos outros. Suas Rainhas do Radio, sambistas e seresteiros.
O Repórter Esso nos informava.
O tempo corria frouxo e eu mergulhava na leitura. Dos contos de fadas ao gibi. Literatura na Escola: um prazer! A partir daí, muita coisa mudou.
Entendidos e atendidos os desentendidos, ultrapassar os percalços na vida adulta com a devida compreensão tornaram-se missão no caminho da evolução.
Legado: dedicação.
Adotei pai e mãe num exercício de amor.
A infância pobre não foi tempo perdido. Antes, entender que humildade não significa subserviência muito menos justificativa para se desviar dos caminhos da retidão.


 
16 10 2013
Rogoldoni

Revisado em 29 06 2014
Publicado na Antologia Poemas à Flor da Idade 4ª edição 2014 Por um mundo Melhor Editora Somar Agei Porto Alegre RS
 
rosangelaSgoldoni
Enviado por rosangelaSgoldoni em 17/10/2013
Alterado em 12/11/2014
Copyright © 2013. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários


Imagem de cabeçalho: raneko/flickr