Textos


Aprendiz de Vidente

Estava naquele show a convite de uma amiga cuja filha havia se casado com um cigano de família tradicional. Dançar era mais do que divertimento.
O espaço no clube fora compartilhado com videntes e cartomantes.
Seria a sua primeira incursão pelas cartas e profecias; danças e magias que sempre a seduziram.
Encantada com as mesas arrumadas, saias rodadas e coloridas; música vibrante, bolas de cristal e baralhos enigmáticos, decidiu-se por uma consulta.
O que o destino lhe revelaria nas cartas que desfilavam naquelas mãos ávidas de cortes e interpretações?
Escolheu e sentou-se. Meia-hora de revelações por R$ 50,00 e acréscimos, caso necessário.
A fala da “vidente” ouvia-se num “portunhol” sem escrúpulos. Trabalhava com uma bola supostamente de cristal e um baralho.
Observava enquanto era questionada:  respondia com monossílabos às perguntas que tentavam induzi-la a respostas reveladoras.
- Há um Roberto na sua vida.
- Sim, conheço um Roberto e ...
E surgiram outros nomes sem sentido ou significado. Até que a cartomante perguntou em bom português:
- Você não acreditou em nada do que eu falei, certo?
- É verdade, nada me foi convincente.
Façamos um trato:  você é uma pessoa muito atenta e observadora. Se quiser trabalhar comigo, deixo o meu cartão. Procure-me.
Levantou sorrindo e voltou-se para o palco onde um grupo de legítimos ciganos dançava e cantava.
Anos depois descobriu uma cigana dentro de si que se revelava nas metáforas da sua poesia cotidiana.
 
Rogoldoni
16 04 2019
https://rascunhosdarogoldoni.blogspot.com/2019/04/aprendiz-de-vidente.html



 
rosangelaSgoldoni
Enviado por rosangelaSgoldoni em 16/04/2019
Alterado em 16/04/2019
Copyright © 2019. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários


Imagem de cabeçalho: raneko/flickr