Textos


Ventre Livre (Uma História de Vida)

Voltava da fábrica de tecidos todos os dias pelo mesmo caminho.
Ele a esperava na calçada e repetia: oh mulata, ainda serás minha!
Ela sorria num ar de deboche, quem sabe provocação, e respondia:
- português atrevido!
Ela de finos traços, olhos verdes, neta de um ventre livre e de um francês que se encantou com a negritude da Margarida.
Da fábrica de tecidos para os braços do português ... um, dois, três ... nasceu uma branca como a neve, cabelos castanhos claros e finos. Portuguesinha, diziam.
Coisas que só as leis das probabilidades aplicadas à genética poderiam explicar.
Não foram felizes para sempre.
O português, cansou-se do exótico e partiu.
Elas, sozinhas, sobreviveram na simplicidade da vida.
Quatorze anos se passaram e quase portuguesinha precisou trabalhar.
Documentos a recolher, descobriu que não tinha sido registrada.
Ah, o português? Casara-se com uma branca e tinha muitos filhos.
Restou à mulata de olhos verdes registrar sua filha sem pai.
No cartório, preto no branco, a certidão de nascimento da “branca como a neve”, quase portuguesinha empardeceu.
A menina reagiu: coloriu sua vida independente dos que tentaram empalidecê-la.
 
Rogoldoni
02 05 2019


 
rosangelaSgoldoni
Enviado por rosangelaSgoldoni em 02/05/2019
Alterado em 04/05/2019
Copyright © 2019. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários


Imagem de cabeçalho: raneko/flickr