Textos


Memórias e Infâncias

Brigou pelo não ser
enquanto subia em direção ao estômago da mãe.
Talvez pretendesse esquivar-se da luz que a aguardava.
Não adiantou.
Tudo se resolveu na sala de parto.
A menina nascida e amada prosseguiu em missão.
Das primeiras idades
guardou o aroma da merendeira cor de rosa
a caminho do Jardim de Infância.
Passeou por muitas histórias,
Carochinhas e Aladim uma vez que
casinha e comidinha nunca lhe despertaram a atenção.
Da segunda infância,
o pique esconde no esconde-esconde do ser.
Acostumou-se aos tabuleiros de damas e ludos
até que a princesa adolescente despertou dentro de si.
A jovem ressurge em amores.
Troca o vôlei e queimada pelos óculos.
Provou com muito gosto as literaturas
(portuguesa e brasileira):
bons tempos, boas escolas.
Apegou-se às letras.
Tornou-se senhora de si e,
com o passar dos anos,
inquietou-se!
Pronta para explodir em versos,
percorreu nova trilha que mantivera em segredo:
reencontrou-se na maturidade do poema em tempos de outono.           
 
Rogoldoni
28 05 2020
https://rascunhosdarogoldoni.blogspot.com/2020/06/memorias-e-infancias.html

 
rosangelaSgoldoni
Enviado por rosangelaSgoldoni em 02/06/2020
Alterado em 02/06/2020
Copyright © 2020. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários


Imagem de cabeçalho: raneko/flickr